ORIENTAÇÃO CIENTÍFICA SOBRE A GUARDA COMPARTILHADA

De acordo com as últimas pesquisas, é altamente recomendável mudar o paradigma de “custódia universal” ou “o vencedor leva tudo” para a noção de responsabilidade conjunta ou guarda compartilhada.Essa pesquisa científica canadense, destaca os resultados da investigação a este respeito.

1. A guarda unilateral, muitas vezes leva à alienação parental e ausência do pai, com consequências prejudiciais para a criança.

80% dos jovens que estão na prisão não têm pai;
71% de abandono escolar não têm pai;
90% das crianças que fogem de casa não têm pai;
Jovens que não têm pai apresentam desníveis mais altos de depressão e suicídio, delinqüência, promiscuidade e gravidez na adolescência, problemas de comportamento e abuso de substâncias ilícitas.

(Statistics Canadá, 2005; Crowder e Teachman, 2004; Ellis et ai, 2003; Ringback Weitoft e outros., 2003; Jeynes, 2001; Leonard e outros, 2005; McCue Horwitz et al, 2003; McMunn, 2001; Margolin e Artesanato, 1989; Blankenhorn, 1995; Popenoe, 1996; Vitz, 2000; Alexander, 2003).

Estes estudos também descobriram que os jovens que não têm pais são mais propensos a serem vítimas de exploração e abuso, já que a ausência do pai está fortemente relacionada à baixa auto-estima nas crianças. (Parish, 1987).

2. Filhos de pais separados querem passar tanto tempo com suas mães quanto com seus pais e eles acreditam que a paternidade compartilhada é do seu interesse superior. Na opinião de 70% dos filhos do divórcio, tempo igual 50/50 com cada um dos pais é o melhor negócio para a vida cotidiana e as crianças que tenham sido submetidos a um acordo de compartilhamento de tempo tem melhores relações com suas mães e pais após o divórcio (Fabricius, 2003).

3. Um recente estudo de meta-análise realizado na América do Norte, comparou os modelos de guarda singular e compartilhada. Esse estudo apresentou os seguintes resultados:

As crianças que estão vivendo sob custódia física e legal compartilhada apresentam melhores resultados em todas as avaliações feitas com relação à adaptação global da criança, em comparação com as crianças que estão sob custódia singular. (Bauserman, 2002).

O Sr. Bauserman, psiquiatra do governo americano, comparando a adaptação de criança dentro de um quadro de guarda compartilhada e custódia física conjunta com um quadro de guarda exclusiva (mãe ou pai), observou que o ajuste geral das crianças, relações familiares, resultados acadêmicos, auto-estima, adaptação comportamental e emocional, bem como o grau e a natureza dos conflitos entre pais, apresentam melhores resultados na guarda compartilhada.

As crianças que estavam em um quadro guarda física compartilhada tiveram melhores resultados do que aqueles que foram encaminhados pela custódia: unilateral.

As crianças que se beneficiam de condições de guarda compartilhada, apresentam menos problemas de comportamento, uma maior auto-estima e melhores resultados acadêmicos e familiares do que as crianças colocadas em guarda única.

Também melhores resultados foram encontrados, resultados positivos da guarda conjunta, foram evidentes entre casais que apresentaram alto grau de conflito.

4. O conflito parental diminui com o tempo em arranjos de custódia compartilhada e aumentam nas de guarda exclusiva.

Os pais colaboram com o passar do tempo quando estão sob a guarda conjunta dos filhos e dificilmente colaboram quando estão colocados em guarda exclusiva com um dos genitores.

Uma das principais conclusões da mega-análise de Bauserman foi a descoberta inesperada de uma redução de conflito entre os pais, em famílias onde crianças estão em guarda conjunta e em contra partida, o aumento dos conflitos entre pais, ao longo do tempo, nas famílias em que as crianças são objeto de uma custódia exclusiva.

A menos que a mãe ou o pai se sintam ameaçados de perder o controle total sobre seu filho e seu papel parental exclusivo, é muito menor a probabilidade desse quadro acontecer quando sob a guarda compartilhada, ao longo do tempo.

Edward Kruk, M.T.S., Ph.D.

University of British Columbia

FONTE:
http://www.fira.ca/cms/documents/181/April7_Kruk.pdf

Colaboração: